Um pouco sobre a história da MODA

Olá, pessoal!

A postagem de hoje não será sobre tendências, look do dia nem tampouco dos últimos desfiles de moda internacional que aconteceram nas últimas semanas. Hoje, falaremos um pouco a respeito da história da moda. Em resumo a moda está ligada ao comportamento e ao estilo de cada um, entender como as pessoas se expressam e mostram quem elas são através de suas roupas é procurar conhecer como constroem suas identidades. Entretanto a opção por um estilo pessoal e único nunca é apenas uma escolha parcial, mas inúmeras situações históricas, econômicas, sociais e políticas que acabam por influenciar e determinar o que é mais adequado usar. A moda dos anos 10: Transformação do artesanal para o industrial. Inserida dentro da Belle Époque ( época marcada por profundas transformações culturais que se traduzem em novos modos de pensar e viver o cotidiano), uma de suas características marcantes foi a notória influência oriental, através de cores fortes e de saias afuniladas. Estiveram em evidência vestidos excessivamente enfeitados com bainhas que tocavam o piso. Os botões eram destaque entre as mulheres preocupadas com o bem vestir, a mulher madura com atitude dominante se impunha através de bustos volumosos e cinturas disciplinadas por corselettes, formando uma silhueta em 'S'. Este período foi abalado pela primeira guerra mundial, assim o figurino da mulher passou de frágil para funcional, surgindo os cabelos curtos e as roupas foram repaginadas de modo a constituir uma silhueta que não valorizasse o corpo. Anos 20: Encerrada a primeira guerra mundial, a mulher passa ter um pouco mais de liberdade: pernas e colo à mostra, com uma silhueta tubular, ela passa a adotar vestidos mais curtos, leves e elegantes. As meias em tom bege sugeriam que as pernas estivessem nuas, o chapéu que até então era acessório obrigatório, ficou restrito ao uso diurno e era usado 'enterrado' até os olhos com cabelos curtos. A década de 20 foi da estilista Coco Chanel, com seus cortes retos, boinas, capas, blazers, cardigans, colares compridos e cabelos curtos, tudo com muita simplicidade e elegância. Anos 30: A década se inicia em plena crise e diferente dos anos 20, os 30 redescobrem as formas femininas através de uma elegância refinada, sem muita ousadia. As saias ficam longas e os cabelos também, os vestidos ficam mais justos e retos. Materiais mais baratos, como o algodão e a casimira passam a ser usados em vestidos de noite. Os decotes profundos nas costas dos vestidos de noite são marcas do período. A mulher dessa época tinha que ser magra, bronzeada e esportiva.
No final dos anos 30, com a proximação da segunda guerra (que estorou na europa em 1939),as roupas já apresentavam uma linha militar. Anos 40: A mulher francesa era magra e as suas roupas e sapatos ficaram mais pesados e sérios; a escassez de tecidos por causa da guerra fez com que fossem adotados materiais alternativos, como fibras sintéticas. Durante a guerra, os americanos instituiram o chamado ready-to-wear, expressão criada pelo estilista francês J.C Weil, no final de 1949. Em pleno pós-guerra, no auge da democratização da moda, libertando as confecções da imagem ruim associada ao dia a dia e ampliando o campo de ação em todo o mundo e crescendo diante da decadência da alta-costura. O isolamento de Paris fez com que os americanos se sentissem livres para criar sua própia moda, nesse contexto, foram criados os conjuntos, (que estão super alta atualmente, haha!) cujas peças podiam ser usadas entre si. Mas foi Christian Dior, em sua primeira coleção, em 1947, que surpreendeu a todos com suas sais rodadas e compridas, cintura fina, luvas e sapatos de salto alto. O sucesso imediato de sua coleção ficou conhecida como, New Look. Anos 50: A mulher dos anos 50 é mais glamourosa e feminina, a silhueta marcada e jovial atravessou toda a década e se manteve como base para a maioria das criações do período. E foi Christhian Dior quem liderou, até a sua morte em 1957, a agitação das novas tendências a cada nova estação. Anos 60: Era a vez dos jovens que foram influenciados pelas ideias de liberdade da chamada geração beat (foi um movimento literário originado em meados dos anos 1950 por um grupo de jovens intelectuais que estavam cansados do modelo de ordem estabelecido pelos EUA após a 2° guerra mundial, com o objetivo de se expressarem livremente). Nesse cenário, a transformação da moda iria ser radical, era o fim da moda única, que passou a ter várias propostas e formas de se vestir. A moda era NÃO seguir a moda, o que representava claramente um sinal de liberdade.  O grande destaque dos anos 60 foi a tão amada minissaia. Enquanto isso, Saint Laurent criou vestidos tubinhos inspirados nos quadros neoplasticistas de Mondrian e o italiano Pucci virou mania com suas estampas psicodélicas. O unissex ganhou força total com o jeans e as camisas sem gola. Pela primeira vez a mulher teve coragem de usar roupas que eram tradicionalmente masculinas, como o smoking( lançado para mulheres por Yves Saint Laurent em 1966).












4 comentários:

  1. Adorei o seu post, bem explicado e resumido , haha. Mais vim aqui te taguear para responder essa tag que está no meu blog http://tempo-de-garota.blogspot.com.br/2013/10/tag-meu-caso-de-amor-com-maquiagem.html. Então fique a vontade. Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. haha, adoooro tags, vou dar uma olhadinha lá e farei!
      Fico feliz que tenha gostado do post, beijos:*

      Excluir
  2. Adorei o post tudo bem resumido e super explicado, amei de paixão><
    Amiga conheci seu blog pelo Grupo "União entre blogueiras" ,e amei ja estou seguindo, segue o meu também? ficarei muito feliz, pois uma ajuda a outra né rs,beijos e sucesso!
    Esperando sua visita aqui no Dicas entre Amigas
    Primeiro sorteio do Blog amiga, participa? ♥

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fico muito feliz que tenha gostado, visitarei seu blog sim, linda.
      beijos:*

      Excluir

Tecnologia do Blogger.